Páginas

quarta-feira, 2 de janeiro de 1980

Itajubá e Cambuí

















Quinta-feira
6h40 teve início à viagem com destino à Itajubá. Tudo tranquilo até 8h20, quando já na Rodovia Fernão Dias, a uns 15 km de Cambuí, um imenso congestionamento. No dia anterior, uma carreta colidiu contra uma passarela e com o risco de desabamento, a rodovia teve que ser interditada naquele local. A consequência foi o gigantesco congestionamento. Só depois de 2h, conseguimos enfim, sair da rodovia e entrar em Cambuí. Seguimos direto através da estrada de terra que liga essa cidade à Consolação e depois, Paraisópolis.
Como já passava das 12h, decidimos almoçar por ali. Seguindo a dica de uma senhora, a escolha foi um restaurante ao lado da igreja Matriz (foto). Uau, que almoço: farto, delicioso e barato.


Depois, fomos caminhar ali pelas ruas centrais, que são bem agradáveis. Decidimos então, seguir até Brasópolis.
Chegando, já não gostamos da cidade. Ruas estreitas e ladeiras que não acabavam mais.
Após uma rápida informação, decidimos conhecer a Cachoeira de Cima, no Bairro Alegre.
Saindo da cidade pelo lado oposto da MG 295, seguimos em direção ao distrito de Luminosa. Um pouco antes do pesqueiro, na estradinha de terra, existe uma bifurcação na estrada. Mantendo-se à esquerda, no sentido distrito de Luminosa, pode-se chegar à Pedra do Tatu, procurada devido à vista bacana da região e para esportes radicais. Mas o acesso é muito complicado e decidimos não tentar ir. Nos mantivemos à direita, no sentido do Pesqueiro Piraquara. A partir do pesqueiro, ainda por estrada de terra, uns 8 km à frente está a cachoeira. O acesso é através da porteira do Sítio São Domingos. Para encontrar, só perguntando pelo caminho. Optamos por ficar um pouco na parte de cima da cachoeira, já que ali tinha um local onde foi possível entrar na água.
Um local não tão prazeroso que nos fez ficar pouco. Retornamos para a cidadezinha e seguimos então em direção à Itajubá. Na estrada, à direita, existem placas indicativas para o Observatório dos Dias e para a Pedra Bicuda. Não fomos.
17h chegamos à cidade e fomos direto fazer o “check in” no hotel. Dali, fomos conhecer a região central, com direito a Praça Theodomiro Carneiro Santiago e a Igreja Matriz. A noite se aproximava e por ali, decidimos nos deliciar cada qual com um enorme copo de açaí. Foi nosso jantar.

Sexta-feira
Após um delicioso café da manhã, fizemos o “check out” e fomos em direção à Cachoeira Ano Bom. Na MG 383, que liga as cidades de Itajubá à Maria da Fé, após 03 Km, entramos à direita na Estrada Retiro, de terra. Percorrendo mais 02 km chegamos à cachoeira, que fica à direita.
Dali, fomos para a cidade de Conceição dos Ouros, conhecer a Prainha dos Euclides. (foto).


Lugar muito agradável.
Por volta das 12h, seguimos viagem, passando por Cachoeira de Minas, conhecida como a terra da fogueira, onde na época das comemorações, montam uma das maiores fogueiras de São Pedro do país, que atinge mais de 30 metros de altura.
14h e chegamos ao nosso destino do dia: a cidade de Cambuí.
Como o tempo estava agradável, com o sol muitas vezes se escondendo atrás de nuvens, optamos por passar o restante da tarde na piscina do hotel, só saindo para jantar uma bela pizza já no início da noite.

Sábado
Fomos uns dos primeiros a tomar o café da manhã e na sequência, partimos rumo à Senador Amaral, cidade situada a mais de 1.550 metros de altitude, sendo a segunda mais alta do país, com inúmeras áreas de cultivo de orquídeas e morangos.
Por ali, pretendíamos conhecer os Túneis Egípcios, localizados no Bairro dos Pelicas, no Hotel Fazenda Vale dos Reis. Não foi possível, pois o local estava desativado.
Passava das 10h. Retornamos para Cambuí e dalí, para Itapeva.
Depois de informações, fomos através de uma estradinha de terra até o Vale Suiço Resort e seguimos em direção ao Sítio da Pedra Chata. Uma subida de quase 2 km pela estradinha de terra em condições razoáveis. Fácil para encontrar, pois existem placas orientativas.
Chegando, foi só estacionar o carro e pagar uma pequena taxa para entrar, já que é uma propriedade particular. Inicialmente fomos através de uma longa e tranquila trilha subindo até a famosa pedra chata. É gigantesca. O local é magnífico e a vista, deslumbrante. Depois de muitas fotos e um bom tempo por ali, descemos até a piscina incrustada nas pedras (foto). O local conta com toda uma infra estrutura para os turistas, com um pequeno bar e vestiários.


14h e lá fomos nós. O objetivo agora era visitar uma grande loja de produtos esportivos na cidade de Extrema. Isso feito, demos início ao nosso último percurso, agora até nosso ponto de origem, aonde chegamos às 16h30.



Nenhum comentário:

Postar um comentário