Páginas

sexta-feira, 4 de janeiro de 1980

Delfinópolis - MG



Viagem de final de ano! Serão 04 dias e para onde ir? Legal se for para local muito bacana, não muito lotado e de preferência com bom preço!   Parece até missão impossível!!
Mas não foi difícil encontrar! Já tinha ouvido falar desta cidade, que era gostosa, em meio a natureza exuberante, tranquila e “movimentada” ao mesmo tempo. Pois bem, essa é Delfinópolis, no Estado de Minas Gerais.
É um pequeno município do sudoeste de Minas, localizada nos arredores da Serra da Canastra. Serra da Canastra? Sim! Só para explicar um pouco:
É uma cadeia montanhosa localizada no centro-sul do estado de Minas Gerais, nas proximidades do município de Delfinópolis, a cerca de 310 quilômetros de distância da capital mineira, Belo Horizonte e a cerca de 350 km de São Paulo. A Serra da Canastra tem o formato de um baú, daí a origem do nome, pois canastra é um tipo de baú antigo. O Rio São Francisco tem sua nascente histórica na Serra da Canastra.
O lugar é privilegiado pelas incontáveis opções de passeios ecológicos que proporciona. São trilhas e mais trilhas, vales, serras, paisagens deslumbrantes e mais de 150 cachoeiras de água cristalina. A cidade é ideal para a realização de atividades esportivas em contato com a natureza, como corridas, trilhas de jipe, moto ou bicicleta. Nas cachoeiras, o programa principal é caminhada e banho de rio. Os mais radicais aproveitam para fazer escalada, rapel e cascading (rapel específico em quedas d´água).
Entre as trilhas mais conhecidas, destacam-se a da Casinha Branca, Pico Dois Irmãos, Chora Mulher, Roladouro, Galheiros e Caminho do Céu.
Decidido: esse era o local. Reserva de hospedagem feita em Outubro, em um quarto em uma fazenda vizinha a cidade.

QUINTA-FEIRA
Com a madrugada dando lugar a um belo dia, a saída de Campinas pegando a estrada (SP 340). Mococa e São Sebastião do Paraíso, já em Minas Gerais. Um caminho bem bonito, com fazendas e lindas paisagens, varias cidades, até chegar a Cássia, junto ao Rio Grande. Dali, tinha que atravessar a Represa de Peixoto de balsa. Já era mais ou menos 11h e tinha uma enorme fila de carros que se iniciava no porto e seguia pela estrada afora. Uma fila básica para dar emoção; mas tudo bem: era festa. A balsa (FOTO), a travessia do Rio Grande, e as pessoas com ações diferentes do dia a dia. Todos descontraídos, alegres, muita música!!!





A travessia do rio aconteceu em cerca de 15 minutos. Daí, uma “rodovia/ avenida” chamada Av. Antenor Pereira de Morais e à entrada de Delfinópolis! (FOTO).




Vale lembrar que no portal tem um centro de apoio ao turista.

Claro, uma parada ali. Mapinha da cidade (FOTO) e momento para informações também.





 Clima diferente, as pastagens, os animais... Algo que gosto muito. Atravessando a pequena cidade e direto para a fazenda, onde tinha o quarto reservado. Tudo muito simples, porém muito gostosa. Pousada e Camping Serro Alegre. Há um riacho que passa bem próximo a sede com queda d’água. Dentro da fazenda está uma cachoeira muito conhecida na cidade: Cachoeira do Dr. Pinto. Coisas guardadas, comer e já sair para o primeiro passeio. Justamente essa cachoeira. Sensacional. Á tarde toda foi por lá.

Retornos à pousada, banho e no finalzinho da tarde, rumo à cidade. Momento ideal para caminhar um pouco pela praça central e imediações. Bastante gente por ali. Jantar em um restaurante. Muito legal e barato, até. O proprietário já havia morado em Campinas. Coincidência. Conversamos um pouco.

Já de noite, a praça central, onde seria a festa da virada do ano, em frente à igreja matriz (FOTO).





A prefeitura tinha preparado uma festa para a virada, após a missa. E foi por ali mesmo que aguardei. Algo engraçado; a árvore de natal só conseguia ficar acessa se a decoração da igreja estivesse apagada! O clima estava agradável, as pessoas felizes com o momento, muita música e a contagem regressiva! Foi um momento muito especial. Mas não muito tarde, de volta à pousada, até por causa do cansaço da viagem e também para aproveitar bem o dia seguinte.


SEXTA-FEIRA
Natureza! Muito bom! Nem TV tinha!

Café da manhã. Delícias da fazenda.

Saí sem muito rumo, querendo conhecer, andar, ver, sentir!!!  Delfinópolis é uma cidade maravilhosa, pequena, típica do interior, mas para descansar e renovar a energia para um novo ano não tem coisa melhor!!!

De carro pela estrada, com paisagens belíssimas....

A represa (FOTO), uma bela cachoeira e a Serra da Canastra.





Como o tempo estava chuvoso, melhor voltar. Daí, conhecer o centro da cidade, as ruas, praças e o píer da represa.

Após um tempo ali, começou a chover, e o retorno para a fazenda foi inevitável.


SÁBADO
Após o super café da manhã, mais um dia de passeios. Como havia chovido no dia anterior e muitas estradas eram de terra, imagine só a emoção em se trafegar de carro pelas estradas de terra da região! A escolha do dia era o Paraíso Selvagem.

Muitas nuvens no céu e estrada piorando a medida que se prosseguia. Não demorou muito para avistar carros parados (FOTO). É, por aqui a solidariedade impera. Carros atolam e outros carros param para ajudar, mesmo sem conhecer. Legal.





Obstáculo que parecia intransponível, mas superado. Seguindo, a entrada do Paraíso Selvagem e logo foi o ponto final para o carro. Ali deveria ficar estacionado. Agora, era seguir a pé por uma trilha até a primeira cachoeira: linda, água refrescante, boa para nadar e também para uma massagem natural feita pela própria água em nossas costas. O lugar todo é muito lindo! Praticamente o dia foi nesse local em meio a natureza, riachos (FOTO), cachoeiras e quedas d’água!





Não choveu. Pelo contrário, o dia foi maravilhoso. No final da tarde, retorno para a pousada.


DOMINGO
Último dia. Logo após o café da manhã, o passeio se iniciou ali pela fazenda mesmo, curtindo suas maravilhas. Um belo dia de sol. Caminhando até próximo à porteira de entrada, foi fácil cruzar com animais que pastavam (FOTO), atravessando o riacho, sempre apreciando o que de melhor o local tinha.


Retornando para próximo da sede e direto para a cachoeira. Por ali , mas um excelente tempo desfrutando da maravilha. Pronto. Quase hora do almoço. Se aproximava da hora d partir de volta à Campinas. Tudo ajeitado na mochila, que foi colocada no carro e "tchau" linda fazenda. Na cidade, o almoço antes de seguir viagem.

Já por volta das 13h, chegava ao porto para travessia de balsa da represa. Hoje o sol resolveu aparecer com força total!! Dia muito quente e gostoso!!

Olha a fila de carros de novo! Mas nessa altura, nada tiraria a paz de espírito!!! Em todos esses dias, sem TV e rádio. Apenas bate papo, conhecendo pessoas, histórias dos moradores, ... Outra vida, outra realidade!!!
Tarde de viagem de retorno. Longa viagem, por sinal. E valeu a pena? Sim, e muito. Recomendo demais! E tá aí um lugar para se frequentar várias vezes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário