Páginas

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Tibagi - PR -- Parque Estadual do Guartelá


🔻TIBAGI - PR🔻


Parque Estadual do Guartelá




Cidade faz parte da Rota dos Tropeiros, sendo uma das mais antigas do Estado. Local cheio de rios, canyons, cachoeiras, morros e uma história cheia de riquezas. A marca dos primeiros habitantes dos canyons estão registradas em pinturas rupestres feitas nas formações rochosas.

DIA 1
Logo cedo vindo de Blumenau, seguimos rumo à Tibagi, que é uma cidade do interior do Paraná extremamente pequena com uma população aproximada de 20 mil habitantes. Por sorte, não era tão longe. Mas porque Tibagi? Ali está o famoso Parque Estadual do Guartelá – CÂNION GUARTELA.👇


Foi criado em 1992 com objetivo de assegurar a preservação dos ecossistemas típicos, com uma excepcional beleza cênica como os “cânions”, cachoeiras e insinuantes formações rochosas, o Parque abriga o cânion do Rio Iapó ou Cânion Guartelá, considerado o 6º maior cânion do mundo em extensão.

O Parque possui diversos atrativos, trilhas ladeadas de vegetações rupestres, plantas exóticas, sinuosas trilhas entre os campos nativos, cachoeiras, panelões, mirante,...

Fomos direto para a portaria principal. Havia apenas um casal que chegou um pouquinho antes que nós. Ali, no que podemos chamar de sede do parque (FOTO), um dos guardas/ instrutores nos passou um vídeo e depois algumas explicações. Desse modo tínhamos duas alternativas para fazer o passeio: primeiro pagar um guia e fazer a visita completa e segundo, fazer o passeio sem guia, ou seja, não pagar nada por isso, mas o passeio não é completo, já que existem alguns caminhos que não podem ser feitos sem o guia.



Optamos em fazer o passeio sem o guia, pois pelas explicações e com mapa na mão não seria tão difícil.

De início, uma descida (FOTO) que parecia não ter fim. Bom para descer, mas e a volta, heim? Vixe! Uma estradinha com calçamento de pedras. Tranquilíssimo. O parque todo é muito bem sinalizado não tem como se perder desde que sejam seguidas as placas.



Depois entramos em uma trilha em meio à mata (FOTO). Também super tranquila e plana agora. Essa, nos levaria aos panelões (banheiras de hidromassagem natural escavada pela própria água), mirante e cachoeira.



Saímos dela, e todo o restante do caminho foi percorrido por uma passarela de madeira e com todas as indicações necessárias. Tudo muito fácil e hiper bem sinalizado (FOTO).


E lá estavam eles: os panelões (FOTO). Que maravilha!!! Que delícia!!! Muito bom. Ninguém por ali. Só para nós.
Olhando assim parece que é fundo e perigoso. Mas muito pelo contrário é permitida a entrada e água chega à cintura, dependendo da altura da pessoa. No fundo, tem areia. Ali dentro, de costas para a água, é simplesmente uma hidromassagem. Perfeito!
Logo chegou um dos guardas, conversou um pouco conosco, deu dicas, tirou fotos para nós, ...


Detalhe: o parque é bem vigiado e, esse guarda, encontramos por várias vezes depois, em outros locais do parque.

Ficamos um bom tempo ali. Daí, seguimos a trilha. Chegamos ao mirante (FOTO) de onde se tem uma vista maravilhosa, com parte dos 32 km do Rio Iapó lá em baixo.



Seguindo a trilha ainda chegamos na cachoeira da Ponte de Pedra (FOTO) com cerca de 200 metros de altura, e que apresenta a formação de uma ponte cortando a cachoeira. Ali correm as águas do Córrego Pedregulho. Não é permitido passar por essa ponte natural de pedra.



Retornando, não resistimos e paramos novamente nos panelões (FOTO), agora somente para descansar e apreciar, sem entrarmos na água. Faltavam apenas às pinturas rupestres, mas não podíamos seguir sem o guia. Até que tentamos, mas não conseguimos. Hora do retorno.



Lembra a descida como foi boa? Ahahaha. Agora, era subida. E que subida!
Início da tarde e lá estávamos seguindo para Tibagi. Pouco antes de entrarmos na cidade, paramos na cachoeira Arroio da Ingrata. Tempo apenas para um banho na pequena queda d’água.
  
Logo na entrada da cidade, um portal e o centro de informações turísticas. Pegamos uma mapinha e já fomos conhecendo os locais: Mirante...



...Casa da Cidade (biblioteca)... 



...Caixa D’Água (abasteceu a cidade nos anos 1915 a 1974)...


...Ladeira do Paredão (acesso ao Rio Tibagi e muito beleza natural)...



...Teatro Municipal (construção em 1998)...



...Casa da Cidade (destinado para atividades culturais)...



...Palácio Diamante (atualmente Prefeitura)...


...Museu Histórico Desembarcador Edmundo Mercer Junior (é um dos museus mais completos do Estado, com um acervo de aproximadamente 5.200 peças)...



...e Praça Central e Igreja Matriz (Nossa Senhora dos Remédios). 



Cidade pequena e tudo pertinho, ali pela praça central. Em metade da tarde tínhamos conhecido Tibagi.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário