Páginas

quarta-feira, 2 de janeiro de 1980

São Thomé das Letras - MG - Cidade mística!




🔻SÃO THOMÉ DAS LETRAS🔻







Uma cidade que alguns acreditam ser um dos sete pontos energéticos da Terra. Um lugar místico, espiritual, científico e alternativo.  
Localizada em uma região serrana (alto da montanha), sobre um largo depósito mineral de quartzito (pedras brancas), que foram utilizadas na construção de quase toda cidade e atualmente, muito utilizada na elaboração do artesanato local.

DIA 1
Viajamos de São João Del Rey, (relato aqui👇http://viajantesdemochila.blogspot.com.br/1980/01/cidades-historicas-mg-ouro-preto.html), até São Thomé, uns 170 km. Chegando fomos assistir ao pôr do sol na famosa Pirâmide (FOTO). Para chegar até lá, deve-se caminhar morro acima, até o final da cidade. Acaba a cidade e a caminhada continua pela montanha, cheia de pedras. 



Espetacular a Pirâmide, e principalmente a vista, pois fica em um ponto montanhoso e elevado a 1.440 metros acima do nível do mar. Que sensação maravilhosa. Energia pura. Conseguimos ver toda a cidade. Inclusive as cidades que ficam perto de São Thomé. Ventava muito, mas muito mesmo. Paz total. “A pedida” é sentar no telhado e apreciar o pôr do sol. Show!

DIA 2
Depois de um belo café mineiro seguimos para a Cachoeira da Lua. Antes, porém, fomos parando em alguns lugares: Estádio Municipal, Praça do Extrator, Gruta Toca do Leão (FOTO).



Chegamos à cachoeira (FOTO) (estrada de terra), paramos o carro e logo na entrada nos deparamos artesãos e seus produtos. Trilhazinha curtíssima e tranquila. Paisagem um tanto exótica. A queda d’água é baixa, forma-se uma piscina não tão grande e em volta muitas árvores. Tem até uma corda para o pessoal pular. Ficamos horas por lá apreciando a beleza das águas cristalinas e da natureza.


Depois seguimos para Cachoeira da Eubiose (FOTO). Para chegar, tivemos que andar por uma trilha, mas muita tranquila e até gostosa de se percorrer. Muito bem sinalizada até a cachoeira. Também quase chegando nela, artesãos. Comparando com a anterior essa é muito melhor, pois a mata é mais aberta, entra mais sol, a água é mais cristalina e tanto a piscina que se forma como a queda d‘água são bem maiores. 



Seguimos depois para a Cachoeira do Flávio (FOTO), bem procurada por famílias. Forma poços rasos, ideal para as crianças. A queda d’água também é baixa. Uau!
Passamos o dia todo entre uma cachoeira e outra, mas como já estava caindo à tarde resolvemos encerrar e voltar para a cidade. 




Já na cidade, paramos na Igreja Nossa Senhora do Rosário,👇 conhecida como Igreja de Pedra. Foi construída totalmente de pedras extraídas da região, com pedras sobrepostas, sem argamassas, iniciada pelos escravos no século XVIII. 


DIA 3
Fomos então para a Praça Barão de Alfenas. No caminho passamos por muitas lojinhas de artesanato e produtos místicos, inclusive compramos esse porta retrato de pedra👇👇, super diferente!



A Praça, a Igreja Matriz de São Thomé, a Gruta São Thomé (FOTO) onde dizem que um escravo fugiu de seu Senhor e se escondeu por lá durante muito tempo, vendo assim São Thomé, que escreveu uma carta e pediu para que o escravo levasse até o seu senhor para que fosse libertado. E foi o que aconteceu. Por isso também a cidade traz esse nome.
Adentramos na gruta. Pequena e de fácil visitação. Subindo na gruta, se vê toda cidade.



A pé, seguimos para a Pedra da Bruxa (FOTO) que fica na direção da pirâmide. Subimos toda a montanha novamente. O calor estava forte. O nome Pedra da Bruxa surgiu, olhando de perfil lembra a silhueta e a face de uma bruxa. É um dos pontos mais altos da cidade onde também se pode ver o pôr do sol.



Logo ao lado conhecemos o Mirante (FOTO), que é uma casinha feita de pedra. Mais um ponto de observação da cidade e arredores.  Ã“timo lugar para meditação e relaxamento.



Seguimos para uma badalada cachoeira: Vale das Borboletas (FOTO). Fica logo na entrada da cidade. Tem um local bem espaçoso que serve de estacionamento, logo a frente uma barraca com comes e bebes, e com apenas uma caminhadinha, logo já se escuta aquele barulho de água caindo. É muita frequentada.  



Atrás da queda d’água existe um espaço repleto de samambaias, que ao reflexo do sol, se mostram como que cristais descendo até a piscina natural que ali se formou, num vale cercado por uma mata verde e irradiante, cheia de coloridas flores e borboletas.
Fascinante e linda. Depois de desfrutar de parte de baixo por um bom tempo, subimos. E a parte de cima (FOTO) é um lugar muito bom para ficar, com o córrego de água cristalina e muitas pedras. Ideal para descansar sob o sol.



Último lugar por ali para ser visitado: LADEIRA DO AMENDOIM (FOTO). O acesso é bem complicado. Mas vale a pena.



É uma ladeira com pequena inclinação. Dizem que se pode parar o carro, desligar o motor, não acionar o freio de mão, deixar o carro desengatado e o carro vai subir a ladeira sozinho. Mas que loucura é essa?????? Bem, nada mais nos restava senão testar! E não é que era verdade!? Fantástico e até certo ponto, divertida a situação. Vale a pena brincar um pouquinho.
Fica aqui um elogio para os Mineiros que são muito hospitaleiros, amigos e acolhedores. PARABÉNS! Mas também, é necessário ressaltar que as estradas de Minas Gerais estão super mal sinalizadas e, em alguns pontos as estradas estão com pavimento muito ruim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário